Habañero emagrece? Murupi combina com o quê?

Especialistas desvendam os segredos das pimentas mais consumidas no país

A pimenta é uma das especiarias mais consumidas no Brasil e, entre elas, algumas se destacam por marcarem mais presença na gastronomia. Dois especialistas no assunto, Diogo Moreira de Aquino, sócio e responsável pelas criações gourmets da Sabor das Índias, e Daniel Alan Costa, coordenador do curso de naturopatia da UNIP, desvendam os mistérios das pimentas mais utilizadas na comida brasileira.

Para a MTC (Medicina Tradicional Chinesa), segundo o professor Daniel, o elemento metal que está ligado ao sistema imunológico, pele, pulmão, intestino grosso, vasos sanguíneos e emoções como a tristeza e melancolia pode ser fortalecido energeticamente com o sabor picante. Portanto a pimenta tem ação em todas as condições de desequilíbrio do sistema respiratório, em doenças autoimunes, doenças de pele e é especialmente indicada para o estado de depressão. Inserir pimenta na alimentação é essencial para balancear os elementos e ajudar a tratar patologias físicas e psíquicas também.

Com propriedade quente, usar a pimenta no dia a dia ajuda a eliminar a umidade e o frio que causam gripe, constipações, amigdalites, sinusites, entre outros. Também aquece o sistema digestivo, promovendo a digestão e a transpiração. “É importante encontrar o equilíbrio entre os cinco sabores da MTC: amargo, doce, picante, azedo e salgado. Observar o que o corpo pede ajuda a identificar possíveis desequilíbrios e a possibilidade de tratar uma patologia antes mesmo dela se manifestar”, ensina o naturopata.

Já na gastronomia, Aquino diz que é preciso desmistificar a ideia de que toda pimenta ou produto proveniente dela tenha ardor. “Pimenta é sabor e não só ardor. As pessoas precisam conhecer as pimentas sem ardência e as delícias que podem ser feitas com elas”, enfatiza Aquino. O especialista aponta as pimentas mais consumidas pelos brasileiros e dá dicas de como usá-las para deixar a receita ainda mais saborosa.

Biquinho – Natural, em pedaços para misturar como tempero, ou em molho, combina com carne vermelha, peixe, saladas, pizzas e etc;
Bode –
Muito usada no preparo de pratos goianos como o empadão Goiano, como também ótima para acompanhar carnes de boi e de porco;
Buth Jolokia –
Pimenta indiana, altamente picante, é usada para fazer molho. O seu manuseio deve ser feito sempre com luvas;
Chipotle –
Pimenta jalapeño mexicana, que pode ser consumida em molhos, ou patê. Geralmente utilizada para temperar a carne antes de ser assada, como também no hambúrguer;
Comari Baiana –
Também conhecida pela ardência, ela é bem utilizada em conserva, porém fica ótima para temperar carnes brancas e na vinagrete de feijoada;
Habanero –
Outra pimenta que também faz parte das ardidas, é muito usada nos pratos típicos mexicanos, porém cai muito bem com o nosso arroz e feijão. Seu molho dá um toque especial nos salgados como coxinhas, esfirras e quibes, como também combina muito bem com frutos do mar;
Jalapeño –
Presente em pratos mexicanos como burritos e tacos, essa pimenta também combina com pratos à base de frutos do mar;
Malagueta - 
Vermelha e Verde – Muito utilizada na culinária brasileira, a malagueta pode acompanhar carnes, como peixes, porém com cuidado, já que ela tem alta ardência. Pratos baianos como vatapá e caruru não estão completos sem a presença da malagueta;
Murupi – Cultivada na Amazônia e no Pará, essa pimenta, de alta ardência, está presente na comida da região norte como os famosos Tacacá, Pato no Tucupi, peixes de água doce e até tapioca.